Pesquisar
Close this search box.

Empresário endividado: como analisar a prioridade dos pagamentos?

Empresário endividado: como analisar a prioridade dos pagamentos?

Empresário endividado: o que fazer quando um bem de família de um dos sócios da empresa for dado como garantia em contrato de alienação fiduciária?

O que fazer quando o endividamento é alto? O que se deve analisar nesses casos? E se o bem de família for leiloado?

Neste artigo tem essas respostas para você.

Caso real de empresário endividado

Recentemente, fomos procurados por uma família de empresários, que são sócios de uma rede de venda de alimentos, mas foram fortemente abalados pela crise financeira.

No meio de tantas dificuldades, eles tiveram uma redução expressiva da receita e precisaram vender três de quatro unidades…

Além disso, despediram dezenas de funcionários num curto espaço de tempo, tendo de lidar com dívidas trabalhistas, bancárias e fornecedores.

Nessa situação, a casa de um dos sócios tinha sido dada em garantia de empréstimo para a empresa.

A grande questão era: o que fazer para resolver as dívidas da empresa?

Em razão de todas essas dívidas, aquela que apresentava maior risco, no curto prazo, era a que possuía a casa como garantia da dívida.

Visto que, se não fosse paga, em poucos meses o banco poderia vender a casa para receber o dinheiro emprestado.

​As demais dívidas, por mais que fossem relevantes e apresentassem riscos, eram de médio e longo prazo.

Porém, assim como essa família, a maior parte dos empresários não têm conhecimento do que fazer, até mesmo por nunca terem vivenciado certo nível de endividamento.

Dessa forma, eles não procuraram uma consultoria jurídica especializada, em que se poderia ter auxílio para definir as prioridades de pagamento…

Então, em razão do desconhecimento do que fazer e, também, por não terem pedido socorro à especialista, deixaram o pagamento da dívida em que havia garantia da casa para depois…

Eles acreditaram que se recuperariam e, assim, teriam mais tempo para pagar ao banco, mas isso não ocorreu.

[button title=”Clique aqui e fale com especialistas na defesa do seu patrimônio” link=”https://api.whatsapp.com/send?phone=5562982166064&text=Olá, tudo bem? Acessei o site do escritório e tenho uma dúvida.” target=”_blank” align=”center” icon=”” icon_position=”” color=”#037607″ font_color=”#f6f6f6″ size=”2″  rel=”” onclick=””]

O que aconteceu com os bens desses empresários?

Em poucos meses, ​a casa foi vendida por preço bem abaixo do valor de mercado, e isso agravou a situação financeira que já era complicada.

Todo esse contexto abalou fortemente a relação familiar e pessoal entre os sócios. 

​​Os impactos da crise econômica são sentidos fortemente por muitos empresários, que nunca haviam experimentado um alto nível de endividamento.

Por vezes, não se imaginavam na situação de inadimplentes, com nome negativado e impossibilitados de cumprir suas obrigações.

​​Quando o empresário endividado chega a essa situação, de alto endividamento, há num primeiro momento a vontade em quitar todas as suas dívidas…

Porém, normalmente seu patrimônio e as entradas de recursos são insuficientes para pagar os seus credores.

​Nessa situação, muitos empresários acabam adotando decisões equivocadas, dada à inexperiência e, em principal, à falta de busca de uma consultoria jurídica especializada para lhe orientar.

Assim, é essencial que você tenha essa assessoria jurídica, em busca de clareza sobre os riscos que correrão no curto, médio e longo prazos, analisando cada dívida e, também, definir quais serão suas prioridades.

Empresário, alto endividamento e a análise de prioridades: em quanto tempo o credor pode tomar seu imóvel por dívidas?

Primeiro, você precisa identificar como foi a garantia apresentada no empréstimo, são dois nomes difíceis: hipoteca ou alienação fiduciária

Depois de verificar no contrato qual o tipo da garantia, é importante saber os prazos em que você pode perder seu imóvel. Vou lhe explicar a diferença:

  • Hipoteca: ​há estudos indicando que, em média, um credor leva cinco anos para receber um crédito garantido por imóvel hipotecado, em que a cobrança acontece na Justiça;
  • Alienação fiduciária: o empréstimo ou financiamento garantido por alienação fiduciária do imóvel pode ser recebido em apenas um ano, em razão de a cobrança acontecer pelos meios extrajudiciais, ou seja, sem passar pela Justiça.

Portanto, num ano ou menos o credor pode tomar seu imóvel em pagamento parcial, ou integral da dívida…

Cada empresário vivencia situações das mais diversas possíveis, com inúmeras peculiaridades que devem ser analisadas de modo individual para se definir quais as reais prioridades.

Então, para o seu caso, saiba que não há uma fórmula pronta e, por isso, é muito importante você ter uma assessoria jurídica qualificada para proteger o seu patrimônio.

Postagens do Blog

Blog JD

A realidade sobre a Recuperação Judicial no Agronegócio

A criminalização dos produtores rurais que recorrem à recuperação judicial no agronegócio tem sido um tema de crescente preocupação. Essas acusações de que eles são responsáveis pelo aumento do custo do crédito no Brasil são controversas. Neste artigo, vamos desmistificar essas alegações e apresentar dados concretos.

Leia mais »
Blog JD

Isenção de ICMS na Transferência de Gado: Uma Vitória que o produtor rural não sabia

A transferência de gado entre diferentes fazendas do mesmo proprietário é uma prática rotineira no setor agropecuário. Porém, essa atividade essencial enfrentava desafios significativos devido à cobrança indevida de ICMS, especialmente quando envolvia propriedades situadas em estados distintos. Um recente cenário vem surgindo, trazendo alívio e benefícios substanciais para os produtores rurais.

Leia mais »
Blog JD

Alienação Fiduciária de Bem Imóvel: Vantagens e Riscos

A alienação fiduciária de bem imóvel é uma prática financeira que gera muitas dúvidas: é algo positivo ou negativo? Devemos temê-la ou desejá-la? A resposta depende do ponto de vista.

Perspectiva do Tomador de Crédito

Se você está buscando crédito junto a uma instituição financeira e a alienação fiduciária é exigida como garantia, é preciso ter cautela.

Leia mais »