Pesquisar
Close this search box.

Execução judicial deve ser apenas em dinheiro?

Execução Deve Ser Apenas Em Dinheiro?

A execução judicial não é apenas em dinheiro, existem diversas formas de efetuar essa cobrança na Justiça.

Assim, o processo de execução pode ser iniciado para exigir que uma obrigação seja cumprida.

Os tipos de execução que existem são:

  • Obrigação de entrega de coisa;
  • Obrigação de fazer – realização de um serviço, por exemplo; e
  • Obrigação de não fazer, abster ou tolerar algo.

Nestes casos, há um prazo para o cumprimento da obrigação, depois pode haver cobrança de multa pelo atraso, estipulada pelo juiz. São as chamadas astreintes.

Astreintes são multas diárias aplicadas à parte que deixa de atender uma decisão judicial.

Portanto, se alguma obrigação está pendente, a execução judicial pode ser um ótimo caminho para fazer valer o seu direito.

Porém, se você for alvo de uma execução cível, é preciso ficar atento para saber qual parte do seu patrimônio está protegida, ou não, da penhora.

Execução judicial apenas em dinheiro: o que são obrigação de entregar (dar), fazer e não fazer?

Obrigação de entregar algo

A obrigação de entregar representa a prestação ou a entrega de uma coisa.

Seja para lhe transferir a propriedade, para lhe ceder a posse ou para restituí-la.

Nesta obrigação, o devedor se vincula ao credor, ao estar obrigado a lhe entregar uma coisa.

Exemplo: num contrato de compra e venda, em que você já pagou por algo, mas ainda não recebeu. 

Por isso, existe a obrigação do vendedor lhe entregar aquilo que você adquiriu.

Obrigação de fazer

É uma atividade, um serviço que vincula o devedor ao credor.

A atividade pode ser física ou material como lavar um automóvel, ou construir um muro, ou, até mesmo, a renúncia de uma herança.

Isso é a obrigação de fazer, de tomar uma atitude

A principal diferença entre a obrigação de dar (entregar) e a de fazer: a obrigação de entregar consiste numa prestação de alguma coisa e a obrigação de fazer numa prestação de execução, ou de fato.

Obrigação de não fazer

É uma prestação negativa, é o vínculo jurídico entre o credor e o devedor.

Isso acontece quando o devedor se compromete a não executar determinado ato.

Porém, o devedor podia livremente praticar se não estivesse obrigado em relação ao credor ou terceiro.

Ou seja, é uma obrigação para não fazer algo.

No meio esportivo é muito comum, por exemplo: no futebol existem contratos prevendo que o atleta não poderá jogar contra o time, caso seja vendido para outra equipe.

Outro exemplo: dentro do nosso cotidiano, quando você não pode criar cachorro no prédio onde reside.

Ou seja, ainda que queira, você está se obrigando a não fazer algo, por isso, obrigação de não fazer.

Como executar essas obrigações na Justiça, sendo que não envolvem dinheiro?

Para se realizar a execução dessas obrigações, elas devem estar vinculadas a um título executivo.

Esse título pode ser judicial ou extrajudicial.

Em regra, o título executivo judicial é resultado de uma decisão judicial, uma sentença que determina uma obrigação.

Ou seja, apenas após a decisão do juiz é que surge a obrigação, seja de dar, fazer ou não fazer.

Também, há o título executivo extrajudicial, podendo ser um contrato de compra e venda, de prestação de serviço, etc.

Então, ainda que não envolva a execução judicial em dinheiro, o recebimento de uma quantia específica, é possível executar o contrato para que essa obrigação seja cumprida.

É importante saber que essas ações judiciais podem causar a perda do seu patrimônio; por isso, fique atento e procure advogados de sua confiança.

Postagens do Blog

Blog JD

A realidade sobre a Recuperação Judicial no Agronegócio

A criminalização dos produtores rurais que recorrem à recuperação judicial no agronegócio tem sido um tema de crescente preocupação. Essas acusações de que eles são responsáveis pelo aumento do custo do crédito no Brasil são controversas. Neste artigo, vamos desmistificar essas alegações e apresentar dados concretos.

Leia mais »
Blog JD

Isenção de ICMS na Transferência de Gado: Uma Vitória que o produtor rural não sabia

A transferência de gado entre diferentes fazendas do mesmo proprietário é uma prática rotineira no setor agropecuário. Porém, essa atividade essencial enfrentava desafios significativos devido à cobrança indevida de ICMS, especialmente quando envolvia propriedades situadas em estados distintos. Um recente cenário vem surgindo, trazendo alívio e benefícios substanciais para os produtores rurais.

Leia mais »
Blog JD

Alienação Fiduciária de Bem Imóvel: Vantagens e Riscos

A alienação fiduciária de bem imóvel é uma prática financeira que gera muitas dúvidas: é algo positivo ou negativo? Devemos temê-la ou desejá-la? A resposta depende do ponto de vista.

Perspectiva do Tomador de Crédito

Se você está buscando crédito junto a uma instituição financeira e a alienação fiduciária é exigida como garantia, é preciso ter cautela.

Leia mais »