Pesquisar
Close this search box.

O PLANO SAFRA É NOVO, MAS A VENDA CASADA É ANTIGA

Plano Safra 24/25: Advogada alerta sobre a venda casada e atrasos na liberação do crédito.

Na última terça-feira, dia 25, o governo federal adiou a divulgação do Plano Safra, que estava originalmente previsto para uma data anterior. Agora reagendado para 3 de julho, este atraso tem gerado significativa preocupação no setor agropecuário, um pilar fundamental da economia brasileira que responde por 42% do PIB nacional.

Um dos aspectos mais críticos que acompanham o Plano Safra é o atraso na liberação do crédito. O tempo é um recurso precioso no agronegócio, onde a janela de plantio é estritamente definida pelas estações do ano. Atrasos na obtenção de crédito podem resultar em plantios tardios, o que compromete a produtividade e pode resultar em perdas significativas. “Cada dia de atraso pode significar uma safra menos produtiva”, alerta a advogada. A incerteza quanto à disponibilidade de recursos coloca os produtores em uma situação vulnerável, forçando-os a fazer escolhas que podem comprometer toda a temporada de cultivo.

Até o momento, não foram divulgados os valores que serão disponibilizados através do Plano Safra, alimentando especulações de que os montantes podem não alcançar os 500 bilhões esperados. Tal indefinição ameaça impactar diretamente o calendário de plantio, elemento crucial para manter a produtividade agrícola do país.

O papel do Plano Safra é crucial especialmente no financiamento de micro e pequenos produtores rurais, que representam 80% dos cinco milhões de produtores no Brasil. É vital garantir que os recursos sejam distribuídos de forma justa e acessível, com taxas de juros que se adequem às realidades financeiras desses produtores.

O Plano Safra é novo, mas a venda casada é antiga

Destinado a fomentar o crescimento e a sustentabilidade do setor agrícola através de créditos facilitados e incentivos fiscais, o Plano Safra representa uma vital linha de suporte para a economia agrária do país. No entanto, apesar das novidades e melhorias prometidas, uma prática antiga e problemática ainda persiste no horizonte: a venda casada. Esse método, que condiciona a concessão de crédito à aquisição de outros produtos ou serviços financeiros, continua a desafiar os princípios de justiça e transparência que deveriam reger o relacionamento entre bancos e agricultores.

Embora proibida, a venda casada continua sendo uma prática recorrente. Bancos e instituições financeiras, às vezes, condicionam a liberação de crédito à aquisição de outros produtos ou serviços, como seguros e contas especiais. Isso não só compromete a autonomia dos agricultores, mas também infla seus custos operacionais, muitas vezes de forma oculta e onerosa. “É uma prática que mascara verdadeiros custos e diminui a competitividade do produtor rural”, explica a Dra. Karla, sócia da banca João Domingos Advogados.

Juros Abusivos: Além dos Limites Estipulados

Além da venda casada, outro ponto de tensão é a aplicação de juros abusivos. O Plano Safra promete taxas de 6%, 8% e 10% ao ano, contudo, relatos indicam que alguns produtores enfrentam taxas superiores a 12% ao ano, o que representa uma carga financeira excessiva e contrária às diretrizes do plano.

É essencial que o governo assegure que o novo Plano Safra não apenas atenda às expectativas do setor, mas também fortaleça a estrutura do agronegócio brasileiro, que é tão vital para a economia do país. Com a devida atenção à equidade no acesso ao financiamento e vigilância contra práticas prejudiciais como a venda casada, podemos esperar que o setor agropecuário continue a prosperar apesar dos obstáculos atuais.

Postagens do Blog

Blog JD

A realidade sobre a Recuperação Judicial no Agronegócio

A criminalização dos produtores rurais que recorrem à recuperação judicial no agronegócio tem sido um tema de crescente preocupação. Essas acusações de que eles são responsáveis pelo aumento do custo do crédito no Brasil são controversas. Neste artigo, vamos desmistificar essas alegações e apresentar dados concretos.

Leia mais »
Blog JD

Isenção de ICMS na Transferência de Gado: Uma Vitória que o produtor rural não sabia

A transferência de gado entre diferentes fazendas do mesmo proprietário é uma prática rotineira no setor agropecuário. Porém, essa atividade essencial enfrentava desafios significativos devido à cobrança indevida de ICMS, especialmente quando envolvia propriedades situadas em estados distintos. Um recente cenário vem surgindo, trazendo alívio e benefícios substanciais para os produtores rurais.

Leia mais »
Blog JD

Alienação Fiduciária de Bem Imóvel: Vantagens e Riscos

A alienação fiduciária de bem imóvel é uma prática financeira que gera muitas dúvidas: é algo positivo ou negativo? Devemos temê-la ou desejá-la? A resposta depende do ponto de vista.

Perspectiva do Tomador de Crédito

Se você está buscando crédito junto a uma instituição financeira e a alienação fiduciária é exigida como garantia, é preciso ter cautela.

Leia mais »