Pesquisar
Close this search box.

Alienação Fiduciária de Bem Imóvel: Vantagens e Riscos

A alienação fiduciária de bem imóvel é uma prática financeira que gera muitas dúvidas: é algo positivo ou negativo? Devemos temê-la ou desejá-la? A resposta depende do ponto de vista.

Perspectiva do Tomador de Crédito

Se você está buscando crédito junto a uma instituição financeira e a alienação fiduciária é exigida como garantia, é preciso ter cautela. Caso você não faça os pagamentos dentro de 3 a 6 meses, o banco pode tomar seu imóvel sem intervenção judicial. O processo é direto: a instituição financeira solicita ao cartório de imóveis a intimação para que você pague a dívida em 15 dias. Se o pagamento não for realizado, o banco pode pagar o ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) e consolidar a propriedade em seu nome.

Após a consolidação, a lei exige que o banco realize dois leilões. No primeiro, o preço mínimo é o valor estipulado no contrato. Caso o imóvel não seja arrematado, o segundo leilão permite que ele seja vendido pelo valor da dívida. Por exemplo, se o imóvel vale R$ 10 milhões e a dívida é de R$ 6 milhões, ele pode ser vendido por apenas R$ 6 milhões. Isso pode gerar um grande prejuízo para o proprietário, especialmente se o valor de mercado do imóvel for significativamente maior.

E se ninguém arrematar pelo preço mínimo da dívida? Nesse caso, a lei estabelece que o imóvel ficará definitivamente com o credor, sem obrigação de compensação adicional, mesmo que o valor do imóvel exceda o montante da dívida. Para produtores rurais, isso pode significar a perda do bem antes de conseguir uma nova safra para reestruturar suas finanças.

Perspectiva do Credor

Por outro lado, a alienação fiduciária oferece vantagens consideráveis ao credor. Se você, produtor rural, está vendendo uma fazenda parcelada, a constituição de uma alienação fiduciária em garantia é essencial. Isso previne cenários onde, após entregar a posse do imóvel ao comprador, este deixa de pagar as parcelas devido a uma quebra de safra ou má-fé.

Sem a alienação fiduciária, o vendedor precisa contratar advogados e enfrentar uma longa e custosa batalha judicial, que pode durar anos, até mesmo décadas, sem garantia de recuperar o imóvel ou o dinheiro. Com a alienação fiduciária, em caso de inadimplência, o credor pode seguir o processo no cartório e retomar o imóvel em 3 a 6 meses.

Considerações Finais

A alienação fiduciária de bem imóvel é uma ferramenta jurídica poderosa e deve ser utilizada com consciência. Entender os riscos e benefícios de ambos os lados permite tomar decisões mais seguras e assertivas, seja para proteger, seja para expandir seu patrimônio.

Postagens do Blog

Blog JD

A realidade sobre a Recuperação Judicial no Agronegócio

A criminalização dos produtores rurais que recorrem à recuperação judicial no agronegócio tem sido um tema de crescente preocupação. Essas acusações de que eles são responsáveis pelo aumento do custo do crédito no Brasil são controversas. Neste artigo, vamos desmistificar essas alegações e apresentar dados concretos.

Leia mais »
Blog JD

Isenção de ICMS na Transferência de Gado: Uma Vitória que o produtor rural não sabia

A transferência de gado entre diferentes fazendas do mesmo proprietário é uma prática rotineira no setor agropecuário. Porém, essa atividade essencial enfrentava desafios significativos devido à cobrança indevida de ICMS, especialmente quando envolvia propriedades situadas em estados distintos. Um recente cenário vem surgindo, trazendo alívio e benefícios substanciais para os produtores rurais.

Leia mais »
Blog JD

Alienação Fiduciária de Bem Imóvel: Vantagens e Riscos

A alienação fiduciária de bem imóvel é uma prática financeira que gera muitas dúvidas: é algo positivo ou negativo? Devemos temê-la ou desejá-la? A resposta depende do ponto de vista.

Perspectiva do Tomador de Crédito

Se você está buscando crédito junto a uma instituição financeira e a alienação fiduciária é exigida como garantia, é preciso ter cautela.

Leia mais »