Pesquisar
Close this search box.

Crédito rural: como liberar parte da hipoteca?

redução da hipoteca nas operações de crédito rural

A hipoteca no crédito rural é bastante comum para você que é produtor rural.

Com certa frequência você precisa de dinheiro para manter a produção.

Também, fazer investimentos em sementes, plantio, comprar maquinário ou novas tecnologias para o campo.

Qual a diferença do crédito rural e os outros empréstimos? 

O crédito rural é um empréstimo de dinheiro, mas é diferente das outras  opções de crédito.

Porque ele tem um importante fim social e foi criado para trazer bem-estar ao povo, através da produção de alimentos.

Além disso, possibilita o fortalecimento econômico dos produtores rurais no Brasil.

Quem faz esse empréstimo aos ruralistas?

No geral, são cooperativas de crédito, bancos tradicionais, financeiras e até empresas fornecedoras de insumos todos eles são chamados de credores.

Garantia da dívida

Para liberar o crédito, esses credores costumam exigir garantias bem altas

Por isso, o imóvel do ruralista é a garantia preferida, pois se faz a hipoteca desse bem.

Assim, caso o devedor (você) não pague, o credor entra com ação na Justiça pedindo a venda do imóvel para pagar a dívida.

  • Mas é aqui que começam os 2 principais problemas:
  1. O valor desse imóvel é superior ao valor do empréstimo liberado e, ainda assim, todo o patrimônio fica bloqueado, impedindo o produtor de pegar outro crédito ou empréstimo de máquinas, pois o ruralista poderia dar uma parte do valor do imóvel em outra garantia. Explico: a fazenda vale R$ 500 mil e você pega o crédito de R$ 250 mil. Daí, o credor registra a hipoteca no valor total do imóvel, os R$ 500 mil, não apenas o valor do crédito de R$ 250 mil.
  2. Mesmo se você tiver pago boa parte do empréstimo, é bastante difícil (mas não impossível) liberar o restante do valor do imóvel para dar em garantia em novo empréstimo. Entenda: Imóvel vale R$ 400 mil e o empréstimo também é de R$ 400 mil. Nesse caso, a hipoteca será do valor total do imóvel, mas ainda que se pague 50% da dívida (R$ 200 mil), o restante não é liberado até que se pague o valor total do crédito de R$ 400 mil.

Com isso, os produtores ficam limitados em ter mais crédito para investir e produzir mais, comprometendo a atividade agropecuária.

Pergunta-se: “Paguei boa parte do crédito rural, posso reduzir o valor da hipoteca? Quais são as regras?” 

As regras atuais não estão muito claras sobre a possibilidade de os credores liberarem parte da hipoteca.

Mas acreditamos que é possível acontecer essa liberação, em especial nos casos que:

  1. houver considerável valorização do imóvel hipotecado e o valor atualizado for superior à dívida; 
  2. ocorrer a realização de pagamentos parciais (mais de 30% da dívida); e 
  3. se ocorrer a revisão judicial da dívida, após ser decidido sobre a redução do valor devido, a garantia anteriormente oferecida tiver valor superior à dívida.

Entenda que essas são apenas hipóteses para demonstrar a desproporção entre o valor atualizado da dívida e o valor de mercado do bem dado em hipoteca.

Então, por exemplo, se a dívida atualizada é de R$ 100 mil e o imóvel está valendo R$ 800 mil, se for possível sua divisão, é óbvia a desnecessidade de a hipoteca continuar sobre todo o imóvel.

Possibilidade de liberar parte da hipoteca

Sobre essa possibilidade de liberar parte da hipoteca, atualmente existem 3 leis falando sobre o assunto. Vou explicar de forma bem simples:

  1. geralmente, o contratante (você) precisa oferecer garantias de pagamento do empréstimo, mas é proibido ao credor exigir garantias adicionais – que valem mais do que o valor do crédito, daí o que exceder deve ser liberado para o contratante;
  2. enquanto o contrato estiver valendo, o credor poderá autorizar o ruralista (você) a vender uma parte ou todos os bens dados em garantia, mas observe que isso só pode acontecer se o credor lhe autorizar; e
  3. por último, a regra mais clara sobre esse assunto fala que é direito da pessoa que pega o crédito rural, pedir revisão do bem que ela deu em garantia a esse empréstimo.

Mesmo com essas leis, os ruralistas enfrentam muitos problemas para pedir essa liberação de parte do bem dado em garantia.

O que fazer para liberar parte da hipoteca? 

Primeiro, tente negociar com o credor (banco, financeira, cooperativa etc). 

Apesar de não ser comum, pode ser que você consiga um acordo para reduzir o valor hipotecado.

Agora, se não der certo, o caminho é levar o caso à Justiça, pois boa parte da dívida foi paga.

Por isso, o imóvel não deve continuar hipotecado no valor total.

Equipe de Advogados especialistas na defesa de patrimônios

equipe de advogados do escritório João Domingos Advogados Associados pode lhe ajudar com esse e outros assuntos.

Temos uma equipe altamente capacitada para atuar na defesa dos seus bens.

Caso você tenha mais dúvidas, ou queira saber mais sobre o tema que falamos aqui, clique agora no botão abaixo.

Agradecemos a sua visita.

Postagens do Blog

Blog JD

A realidade sobre a Recuperação Judicial no Agronegócio

A criminalização dos produtores rurais que recorrem à recuperação judicial no agronegócio tem sido um tema de crescente preocupação. Essas acusações de que eles são responsáveis pelo aumento do custo do crédito no Brasil são controversas. Neste artigo, vamos desmistificar essas alegações e apresentar dados concretos.

Leia mais »
Blog JD

Isenção de ICMS na Transferência de Gado: Uma Vitória que o produtor rural não sabia

A transferência de gado entre diferentes fazendas do mesmo proprietário é uma prática rotineira no setor agropecuário. Porém, essa atividade essencial enfrentava desafios significativos devido à cobrança indevida de ICMS, especialmente quando envolvia propriedades situadas em estados distintos. Um recente cenário vem surgindo, trazendo alívio e benefícios substanciais para os produtores rurais.

Leia mais »
Blog JD

Alienação Fiduciária de Bem Imóvel: Vantagens e Riscos

A alienação fiduciária de bem imóvel é uma prática financeira que gera muitas dúvidas: é algo positivo ou negativo? Devemos temê-la ou desejá-la? A resposta depende do ponto de vista.

Perspectiva do Tomador de Crédito

Se você está buscando crédito junto a uma instituição financeira e a alienação fiduciária é exigida como garantia, é preciso ter cautela.

Leia mais »