Pesquisar
Close this search box.

Crédito rural atrasado pode ser inscrito na dívida ativa?

Há vários anos, algumas dívidas de Crédito Rural foram transferidas para o governo e, então, quem continuou inadimplente:

  • teve seu nome ou o nome da sua empresa negativado; e 
  • foi inscrito na Dívida Ativa da União.

Até dezembro de 2018 o governo concedeu desconto e parcelamento para pagamento dessa dívida, mas o produtor rural que não realizou nenhuma negociação está sujeito às negativações e processo de cobrança.

Para o produtor rural que fez a negociação e quitou a dívida, como retirar a Certidão de Quitação? 

É só acessar e se cadastrar no site Regularize do Governo Federal, depois retirar a Certidão de Débitos Relativos aos Créditos Tributários Federais e à Dívida Ativa da União. 

Para o ruralista que não aproveitou o prazo para negociar e não pagou a dívida rural, o que pode acontecer? 

O governo já fez um processo administrativo e emitiu a CDA – Certidão de Dívida Ativa, por isso, seu nome já está negativado e inscrito na Dívida Ativa da União.

Neste caso, o governo entrará com processo judicial contra você ou contra a sua empresa rural. 

Na Justiça, a cobrança dessas dívidas acontece através da ação de execução fiscal.

Nessa ação judicial, você pode optar por: 

  • pagar a dívida e encerrar o processo; ou 
  • apresentar uma garantia do pagamento e, assim, contestar as informações ou valores.

Assim, você pode se defender contestando os juros e multas, porém é importante fazer os cálculos e a análise jurídica, para confirmar que o valor está incorreto.

Outra forma de defesa é contestar as dívidas transferidas à União, pois a lei só autorizou a transferência de créditos específicos, então não são todas as dívidas rurais que podem ser transferidas dos bancos para o governo.

Porém, caso não seja efetuado o pagamento, ou a contestação não seja aceita pela Justiça, seu patrimônio será penhorado e vendido para levantar dinheiro e pagar a dívida.

Acesse aqui e saiba os detalhes sobre a fase de execução fiscal.

Pode acontecer a transferência da dívida rural para o governo federal? 

Sim, uma lei de 2001 autorizou essa transferência de créditos rurais dos bancos para a União – o governo federal. 

Agora, a Justiça tem decidido que também pode ser cobrada como uma dívida fiscal.

Dívidas fiscais são todas as dívidas tributárias, como impostos, taxas, empréstimos compulsórios etc e, também, as dívidas não-tributárias, por exemplo, multas, aluguéis, etc. 

Mas, se essa transferência é ilegal, ou não, essa é uma das formas de defesa que podem ser apresentadas na Justiça.

Perceba que são muitos detalhes que precisam ser analisados!

Dessa forma, a falha na análise pode levar à perda da sua propriedade, por isso é essencial ter acompanhamento jurídico qualificado.


Postagens do Blog

Blog JD

A realidade sobre a Recuperação Judicial no Agronegócio

A criminalização dos produtores rurais que recorrem à recuperação judicial no agronegócio tem sido um tema de crescente preocupação. Essas acusações de que eles são responsáveis pelo aumento do custo do crédito no Brasil são controversas. Neste artigo, vamos desmistificar essas alegações e apresentar dados concretos.

Leia mais »
Blog JD

Isenção de ICMS na Transferência de Gado: Uma Vitória que o produtor rural não sabia

A transferência de gado entre diferentes fazendas do mesmo proprietário é uma prática rotineira no setor agropecuário. Porém, essa atividade essencial enfrentava desafios significativos devido à cobrança indevida de ICMS, especialmente quando envolvia propriedades situadas em estados distintos. Um recente cenário vem surgindo, trazendo alívio e benefícios substanciais para os produtores rurais.

Leia mais »
Blog JD

Alienação Fiduciária de Bem Imóvel: Vantagens e Riscos

A alienação fiduciária de bem imóvel é uma prática financeira que gera muitas dúvidas: é algo positivo ou negativo? Devemos temê-la ou desejá-la? A resposta depende do ponto de vista.

Perspectiva do Tomador de Crédito

Se você está buscando crédito junto a uma instituição financeira e a alienação fiduciária é exigida como garantia, é preciso ter cautela.

Leia mais »