Pesquisar
Close this search box.

O que é a Cédula do Produto Rural – CPR?

O que é a Cédula do Produto Rural – CPR? Conheça!

A cada dia, temos visto que o financiamento do agronegócio tem diminuído, em especial, pelos governos estaduais e federal.

Assim, surgem novas oportunidades do mercado privado para garantir empréstimos para essa importante área da economia do nosso país.

Por isso, a Cédula do Produto Rural – CPR tem sido bastante utilizada para captar esses recursos.

O que é a Cédula do Produto Rural – CPR?

A Cédula do Produto Rural – CPR é um título que permite ao produtor rural ou às cooperativas obterem recursos para desenvolver a sua produção.

A CPR viabiliza a produção e a comercialização dos produtos por meio da antecipação de crédito rural.

O significado mais técnico é: Cédula do Produto Rural – CPR é um título que representa uma obrigação em que há a promessa de entregar produtos rurais, tendo como finalidade a antecipação ou garantia de receitas, dando aos agricultores meios legais de alienar suas futuras produções.

Realmente, é uma definição mais difícil, porém, necessária para entendermos por qual motivo existe essa cédula.

Então, em resumo, é uma forma de você receber de maneira antecipada a sua produção.

Hoje, existem dois modelos:

  • a CPR física, em que o produtor se compromete a entregar o produto (ex: sacas) no dia acordado na cédula; ou
  • a CPR financeira, em que o produtor que emite a CPR faz a promessa do pagamento no prazo acordado, em geral, após a venda da produção.

Agora, também existe a CPR eletrônica, ou e-CPR, que garante agilidade na emissão, no registro e na disponibilização do crédito para você.

Em agosto/2019, foi emitida a primeira e-CPR no País, envolvendo a produção de soja em Jataí (GO).

A CPR eletrônica vai facilitar bastante a aquisição desse crédito no agronegócio, porque o tempo de emissão diminuirá drasticamente.

Hoje, o registro da CPR tradicional demora cerca de 80 dias. Nessa primeira operação digital em Jataí (GO), o tempo foi de apenas 15 dias, mas deve ser reduzido a 1 ou 2 dias.

Por fim, é importante ficar atento às regras de cada banco e ao correto registro da Cédula do Produto Rural – CPR, para que ela tenha a validade aceita caso aconteça algum problema no futuro.

Principais regras da Cédula do Produto Rural – CPR

Agora, vou responder às principais dúvidas que recebemos sobre a Cédula do Produto Rural – CPR.

Quem pode emitir a CPR?

Apenas o próprio produtor rural, além das associações e cooperativas em que estejam vinculados os produtores.

Em que momento posso emitir a CPR?

Essa cédula representa uma promessa de entrega futura de um produto agropecuário.

Também, pode ser contratada após a colheita da produção para lhe permitir maior prazo para comercialização do produto colhido ou, ainda, como uma alternativa ao custeio em qualquer outra fase do empreendimento pecuário ou agrícola.

Resumindo: pode ser contratada antes da fase de plantio ou após a colheita.

Preciso de garantias para emitir a CPR?

Dependendo do banco, financeira ou cooperativa, podem ser exigidas garantias na emissão da CPR financeira, então, talvez você precise de imóveis, fiador ou avalista.

A vantagem da CPR financeira, mesmo tendo essa burocracia, são os juros reduzidos em relação aos outros créditos.

Agora, na CPR física, a produção já é a garantia de pagamento, mesmo assim, quem faz o empréstimo pode exigir outras garantias, mas de forma moderada em relação à CPR financeira.

Entretanto, alguns bancos, financeiras ou cooperativas não exigem nenhuma garantia, a não ser a entrega da produção.

Quais os prazos para pagamento da CPR?

Em geral, a CPR pode ser emitida com vencimento a partir de 20 dias, podendo chegar até 360 dias, de acordo com a fase do empreendimento, a garantia vinculada e expectativa de obtenção de receita pelo produtor.

Quais são as vantagens da CPR?

– Isenção de IOF;

– Limite rotativo, com possibilidade de contratação em qualquer fase do empreendimento;

– Possibilidade de melhores condições na comercialização do produto e negociação na aquisição de insumos;

– Possibilidade de financiar insumos, tratos culturais, colheita, beneficiamento e industrialização do produto financiado, além do custeio da atividade relacionada à bovinocultura.

Preciso registrar a CPR?

Em razão da burocracia, muitos produtores não fazendo o registro da CPR.

Entretanto, essa falta de registro pode causar muitos problemas para você, pois a validade do documento depende do seu correto registro.

Assim, para que tenha eficácia perante terceiros e você tenha os seus direitos garantidos, a CPR deverá ser registrada:

  • no Cartório de Registro de Imóveis do domicílio do produtor; e
  • caso haja penhor, hipoteca ou alienação fiduciária, deverá ser registrada, também, no Cartório de Registro de Imóveis em que os bens estão empenhados ou alienados fiduciariamente, ou o imóvel está hipotecado ou alienado fiduciariamente.

Conclusão

Atualmente, há grande dependência do agronegócio dos escassos recursos públicos direcionados ao financiamento desta atividade essencial para a economia do nosso país.

Entretanto, medidas como a criação da CPR, que é uma cédula de financiamento privado no agronegócio, possibilitam o caminho para essa desvinculação e colaboram para o desenvolvimento deste setor.

Ainda, com a criação da CPR eletrônica, em que será possível registrar as demais CPRs de forma online, essa aquisição de crédito será mais fácil e rápida, facilitando a vida do produtor.

Portanto, verifique essas questões com o banco em que você tem relacionamento e o mais importante: consulte o seu contador e, também, o seu advogado para fazer a operação com segurança.

É essencial que você tenha essas assessorias, porque a CPR envolve diretamente a sua atividade rural, a sua produção e o seu patrimônio!

Postagens do Blog

Blog JD

A realidade sobre a Recuperação Judicial no Agronegócio

A criminalização dos produtores rurais que recorrem à recuperação judicial no agronegócio tem sido um tema de crescente preocupação. Essas acusações de que eles são responsáveis pelo aumento do custo do crédito no Brasil são controversas. Neste artigo, vamos desmistificar essas alegações e apresentar dados concretos.

Leia mais »
Blog JD

Isenção de ICMS na Transferência de Gado: Uma Vitória que o produtor rural não sabia

A transferência de gado entre diferentes fazendas do mesmo proprietário é uma prática rotineira no setor agropecuário. Porém, essa atividade essencial enfrentava desafios significativos devido à cobrança indevida de ICMS, especialmente quando envolvia propriedades situadas em estados distintos. Um recente cenário vem surgindo, trazendo alívio e benefícios substanciais para os produtores rurais.

Leia mais »
Blog JD

Alienação Fiduciária de Bem Imóvel: Vantagens e Riscos

A alienação fiduciária de bem imóvel é uma prática financeira que gera muitas dúvidas: é algo positivo ou negativo? Devemos temê-la ou desejá-la? A resposta depende do ponto de vista.

Perspectiva do Tomador de Crédito

Se você está buscando crédito junto a uma instituição financeira e a alienação fiduciária é exigida como garantia, é preciso ter cautela.

Leia mais »