Pesquisar
Close this search box.

Meu imóvel foi leiloado | O que fazer?

Com as crises financeiras que temos passado nos últimos anos, infelizmente, é comum que as dívidas aumentem. E talvez você não consiga quitar o seu empréstimo ou financiamento.

Nesse caso, se você tem o seu imóvel como garantia do pagamento, o banco ou financeira pode fazer a venda num leilão. De forma rápida, eles conseguem leiloar seu imóvel.

Mas, além de ser uma situação terrível, que é você ficar sem o seu imóvel, o valor da venda é muito abaixo do preço de mercado que você conseguiria se vendesse o imóvel.

E não pense que essa ação de cobrança se arrasta por longos anos: os leilões para venda de imóvel têm durado apenas de 45 a 60 dias. Por isso, você precisa agir rápido!

Perda do imóvel que está em garantia de dívidas

É cada vez mais comum a oferta de imóveis como garantia no pagamento de empréstimos. Inclusive, no financiamento do imóvel, o próprio bem é usado como segurança de quitação do débito.

Hoje, existem muitas financeiras e fintechs, além dos bancos tradicionais que fazem empréstimos de valores mais altos e com juros baixos, desde que um imóvel seja dado como garantia.

O imóvel como garantia de dívidas é dado sob algumas regras, como:

Inclusive, mais recente foi aprovada uma regra que permite que um imóvel financiado possa ser usado como garantia de um novo empréstimo com o mesmo banco do financiamento inicial.

Quando falamos de imóveis financiados, o número de imóveis retomados pelos bancos, em razão de dívidas dos devedores, dobra ano a ano. Em 2019, foram entre 90 mil e 100 mil unidades.

Essa análise foi feita com base nos balanços dos principais bancos do país: Caixa, Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander. Na soma, o valor desses bens ultrapassa R$ 18 bilhões.

Leia também:

Meu imóvel foi leiloado: o que devo fazer?

Já sabemos que esse é um momento terrível para você e sua família. Foram dezenas de clientes que atendemos e sabemos da luta que eles passam quando tem seu imóvel leiloado.

Quando o banco quer tomar a casa de alguém, ele precisa cumprir vários requisitos, senão, todo o procedimento pode ser cancelado, até mesmo pela Justiça.

Isso acontece porque, mesmo devendo, você tem os seus direitos como cidadão. Além disso, o banco tem muito poder e dinheiro para fazer a cobrança e o leilão de forma rápida.

Por essa razão, a lei criou regras para equilibrar a balança entre os bancos, financeiras e demais fornecedores em relação aos devedores.

Você vai saber agora as regras básicas que, inclusive, são aquelas que os bancos mais erram na hora de fazer a cobrança e o leilão:

  • notificações para o devedor pagar a dívida (chamada de purgação da mora);
  • não incluir a descrição completa e fotos do imóvel no site da empresa de leilão;
  • não notificar o devedor sobre o leilão ou não informar a data, horário e local exatos do leilão.

Em outro artigo que publiquei aqui no blog, comentei sobre os 12 motivos em que é possível cancelar o leilão de imóveis, como apartamento, residência ou imóvel comercial (clique aqui para ler).

Meu imóvel já foi leiloado, tem solução?

O banco e outros credores querem fazer o leilão da maneira mais rápida possível (claro, ele quer receber o que emprestou ou vendeu). Mesmo assim, as regras devem ser respeitadas, ainda mais quando se trata de imóveis.

Quando os requisitos não são cumpridos, por exemplo, aquelas 12 situações que comentei no outro artigo, é possível cancelar o leilão, mesmo se já tiver acontecido.

Então, seja antes ou depois do leilão, é possível pedir na Justiça o cancelamento da arrematação (compra) do seu imóvel.

Isso acontece porque ao não cumprir as regras, o credor (o banco, fornecedor, etc) praticou um ato contra as leis. E isso pode cancelar essa ação judicial porque é um ato nulo.

Além dos erros comuns, não é raro acontecer o leilão do único imóvel da família, algo que a lei protege bastante, porque a nossa Constituição diz que temos de ter um lar para morar.

Porém, qualquer problema durante todo o andamento do leilão, seja judicial ou extrajudicial, pode anular o procedimento inteiro e, assim, você garante o seu direito.

Nesses casos, recomendo que você busque agora mesmo a ajuda de um advogado especialista para que ele analise a situação e tome as medidas para tentar reverter o problema.


>> Acesse nossas redes sociais: Instagram | Facebook | LinkedIn | YouTube


Postagens do Blog

Blog JD

A realidade sobre a Recuperação Judicial no Agronegócio

A criminalização dos produtores rurais que recorrem à recuperação judicial no agronegócio tem sido um tema de crescente preocupação. Essas acusações de que eles são responsáveis pelo aumento do custo do crédito no Brasil são controversas. Neste artigo, vamos desmistificar essas alegações e apresentar dados concretos.

Leia mais »
Blog JD

Isenção de ICMS na Transferência de Gado: Uma Vitória que o produtor rural não sabia

A transferência de gado entre diferentes fazendas do mesmo proprietário é uma prática rotineira no setor agropecuário. Porém, essa atividade essencial enfrentava desafios significativos devido à cobrança indevida de ICMS, especialmente quando envolvia propriedades situadas em estados distintos. Um recente cenário vem surgindo, trazendo alívio e benefícios substanciais para os produtores rurais.

Leia mais »
Blog JD

Alienação Fiduciária de Bem Imóvel: Vantagens e Riscos

A alienação fiduciária de bem imóvel é uma prática financeira que gera muitas dúvidas: é algo positivo ou negativo? Devemos temê-la ou desejá-la? A resposta depende do ponto de vista.

Perspectiva do Tomador de Crédito

Se você está buscando crédito junto a uma instituição financeira e a alienação fiduciária é exigida como garantia, é preciso ter cautela.

Leia mais »